Aproveite a oportunidade para questionar nosso Ministro dos Esportes, Aldo Rebelo

[ad#banner]

Nesta sexta-feira, a partir das 16h00min, Aldo Rebelo participará de uma entrevista, ao vivo, no UOL. Na oportunidade, espera-se que ele fale sobre a Copa, Olimpíadas e sua gestão à frente da pasta.

Não perca essa oportunidade para participar e questionar o nobre ministro. Por ex.: lei geral da copa; infra-estrutura; dinheiro público nas obras para a copa e olimpíadas; qual será o legado para o nosso país; e, muito mais.

Vamos lá Brasil!

Share

Copa-2014 e Olimpíadas-2016 podem valorizar em 70% os imóveis no Rio de Janeiro. Bom para os moradores?

[ad#banner]

Autor: Thiago Capodeferro

Crédito: Agência Goodae.com

 

O Brasil sediará, nos próximos anos, dois dos maiores eventos esportivos do mundo: a Copa do Mundo, em 2014, as Olimpíadas em 2016. Com isso o país corre contra o tempo para deixar toda a estrutura pronta, e vê vários setores da sua economia sendo movimentados.

Além dos impactos na economia, as duas competições mudarão também a vida e a rotina de muitas pessoas. Segundo uma pesquisa do IBOPE divulgada no último mês de junho de 2011, enquanto 25% dos brasileiros disseram ter interesse muito grande na Copa-2014, 27% disseram ter interesse, mas não muito, e 26% responderam que não têm interesse algum.

Mas talvez o que esses 53% que disseram não ter muito, ou nenhum interesse, não saibam, é que não terão como escapar dos efeitos dos dois eventos. Principalmente os moradores das cidades-sede e os que residem em bairros próximos a estádios ou complexos esportivos onde serão disputados jogos e modalidades olímpicas.

Suas vidas e rotinas serão alteradas, nem que sejam alguns pequenos detalhes como o tempo que levarão para chegar ao trabalho ou a dificuldade em vender um imóvel.

O impacto dos eventos já aparece em alguns segmentos, principalmente no imobiliário. Segundo os especialistas do setor, os imóveis na cidade devem sofrer valorização de até 70% nos bairros próximos aos estádios e locais onde serão disputadas as partidas da Copa e demais modalidades das Olimpíadas, como, por exemplo, os imóveis à venda em Santa Teresa, Rio de Janeiro.

A cidade maravilhosa será uma das sedes da Copa-2014, receberá inclusive a final, e a principal sede das Olimpíadas-2016. Essa valorização já pode ser vista especialmente nos arredores do Maracanã, do Centro Esportivo Miécimo da Silva e do Estádio João Havelange (Engenhão).

O otimismo dos especialistas tem como base os jogos Pan-Americanos, disputados na cidade em 2007. Na ocasião, o valor cobrado pelo metro quadrado no bairro do Méier, por exemplo, onde fica o estádio do Engenhão, subiu cerca de 40%, segundo informações oficiais da organização do evento na época.

Outra região do Rio que vê a valorização de seus imóveis é a Avenida Abelardo Bueno, na Barra. Lá estão localizados o Velódromo, o Parque Aquático Maria Lenk e a Arena HSBC, todos construídos para o Pan e que também serão utilizados nos Jogos Olímpicos.

Além disso, a avenida fica próxima ao Riocentro, que também receberá competições. As estatísticas mostram que nos últimos cinco anos o metro quadrado da região teve uma valorização de 70%. Hoje, o preço do metro quadrado na Barra beira os R$ 8 mil, e este número pode até aumentar com a proximidade dos eventos e a consequente maior procura.

E os outros bairros?

A valorização de imóveis não chega a ser um problema para bairros nobres como a Barra. Segundo uma pesquisa da revista Exame, realizada em 2011, se por um lado o preço do metro quadrado na região passa dos R$ 6 mil, como citado acima, a renda média da população que reside ali é de mais de R$ 10 mil.

Mas e bairros menos nobres? A população que reside neles conseguirá acompanhar esta valorização? Segundo a imprensa brasileira, o estádio do Maracanã, que receberá a final da Copa do Mundo em 2014, receberá um investimento de R$ 600 milhões para ser reformado. Isso mexe diretamente com bairros que estão próximos ao estádio, como Vila Isabel, Tijuca e São Cristóvão.

Se na Barra a população tem poder aquisitivo para acompanhar a valorização, o mesmo não acontece com alguns bairros como, por exemplo, São Cristóvão. Hoje, o metro quadrado na região custa cerca de R$ 2 mil, enquanto a renda familiar da população do bairro é de R$ 2,5 mil.

Se a projeção dos especialistas e investidores se confirmar, e os imóveis realmente valorizarem cerca de 70%, o metro quadrado em bairros como São Cristóvão e Santa Teresa vai saltar de R$ 2 mil para quase R$ 3,5 mil. Em se tratando do que estamos acostumados a ver no Brasil, o que muito provavelmente não vai aumentar é a renda familiar da população dos bairros, que continuará, respectivamente, na casa dos R$ 2,5 mil e R$ 3 mil.

O que isso significa? Que o perfil de moradores do bairro pode mudar. As pessoas procuram casas dentro da suas possibilidades financeiras através de imobiliárias ou buscadores como o Nestoria.com.br. O público que procuraria por imóveis em São Cristóvão deixará de fazê-lo, pois não conseguirá pagar. Quem mora no bairro e quiser vender seu imóvel também pode enfrentar dificuldades para encontrar um comprador.

Veja abaixo a proporção do preço do metro quadrado de alguns bairros e a renda familiar das famílias que residem nele:


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Estrutura: herança bem vinda ou maldita?

Você não investe R$ 600 milhões apenas num estádio, mas também em toda a comunidade em torno dele. Pensando na Copa e nas Olimpíadas, toda uma estrutura será erguida, e esse quadro também ajuda a valorizar os imóveis. Por exemplo: será construída uma passarela ligando os bairros da Tijuca e São Cristóvão.

O trajeto que antes era feito em 20 a30 minutos, dependendo do horário, com esta obra será feito em torno de 10. Rodovias serão ampliadas e estacionamentos para carros e ônibus serão construídos, melhorando o trânsito de toda a região. São os dois eventos mexendo com a rotina da população, sem que eles se dêem conta, ao menos num primeiro momento.

Mas esse nem sempre é um ponto positivo. É preciso estudar se toda essa estrutura será aproveitada depois, ou se ficará jogada, sem ser aproveitada. Exemplos de grandes “elefantes-brancos” não nos faltam. O Stade de France, construído no subúrbio de Paris para a Copa-98 é um exemplo disso. Como todos os times da capital francesa já possuem estádio, após a Copa daquele ano, ele ficou abandonado.

No caso do Brasil esse problema existe em cidades-sede que não possuem times na elite do futebol nacional, como Cuiabá e Manaus. Já quando falamos de cidades como Rio de Janeiro e São Paulo, os estádios não correm esse risco. As duas cidades possuem vários times que disputam as duas principais divisões do campeonato brasileiro.

Nelas, os grandes candidatos a se tornarem elefantes-brancos são hotéis, lojas e afins que serão erguidos para a Copa e para as Olimpíadas. Falando apenas do Rio: a FIFA, dentre outras exigências, obriga que hotéis de alto padrão sejam construídos num raio de 5 a10 km de cada estádio que receberá jogos da Copa.

 

Todos esses empreendimentos, que em sua maioria serão erguidos as pressas, diga-se, serão aproveitados depois que os eventos acabarem e os turistas se forem? Um hotel desse porte, construído, por exemplo, num bairro como São Cristóvão, onde a renda da população não passa de R$ 3 mil, se sustentará? A região tem pontos turísticos e é de fácil acesso a ponto de atrair pessoas do mundo todo naturalmente?

São coisas que tem de ser estudadas. Caso contrário, serão R$ 600 milhões, sem contar os outros investimentos, mal aplicados, jogados no lixo.

O que pode acontecer é um fenômeno já visto em outras cidades que passaram por situações parecidas: os preços, tanto de imóveis como de hotéis, lojas e restaurantes subirem antes e durante a Copa e as Olimpíadas, e depois despencarem uma vez que a população local, passados os eventos, não tem poder aquisitivo para comprar imóveis de luxo ou freqüentar hotéis cinco estrelas.

A mesma pesquisa do Ibope que mediu o interesse dos brasileiros na Copa-2014 também concluiu que 73% deles acompanham as notícias sobre o evento através da televisão. Então é bom ficarem de olho no noticiário, para saber até que ponto os eventos afetarão suas vidas, e mais importante, se os investimentos estão sendo feitos da maneira correta.

Se não estiverem é bom lembrar que em 2014, além de Copa do Mundo, também tem eleições.

Share